Cliente responsável por briga que terminou em morte de funcionária é preso; segurança é autuado por homicídio culposo

A Polícia Civil do Paraná informou que o cliente responsável pela confusão em um supermercado nesta terça-feira, que terminou com a morte de uma funcionária, foi autuado em flagrante por duas lesões corporais e por desobedecer o decreto municipal de uso de máscara. O segurança agredido também foi autuado, mas por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Ambos estão presos, informou a assessoria de imprensa da corporação nesta quarta-feira.

Sandra Maria Aparecida Ribeiro, de 45 anos, morreu atingida por um disparo de arma de fogo no supermercado Condor, em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. A investigação segue em andamento. Por meio de nota, a empresa lamentou “profundamente o ocorrido em sua loja de Araucária e informa que está prestando todo o apoio e ajuda à família (da vítima)”.

Segundo a Guarda Municipal, o tumulto foi provocado por um cliente de 59 anos que insistiu em entrar no estabelecimento sem usar máscara, uma recomendação das autoridades de Saúde para evitar a propagação do novo coronavírus.

Em comunicado, o órgão municipal que atendeu a ocorrência relata que o homem foi informado sobre o decreto da prefeitura que exige o uso da proteção no rosto, mas se revoltou e agrediu o segurança do supermercado. Ainda de acordo com a Guarda Municipal, o vigilante inclusive havia tentado oferecer uma máscara da empresa, sem custo, para que o consumidor pudesse fazer as suas compras.

Após ser agredido, o funcionário pediu ajuda pelo rádio para a empresa terceirizada responsável pela segurança do local. No entanto, enquanto os dois andavam em direção à entrada da loja, o cliente começou a proferir uma série de agressões verbais contra o vigilante e tentou pegar a arma dele.

Um disparo atingiu de raspão o cliente e um segundo tiro atingiu a fiscal do supermercado “que tentava apaziguar a situação e prestar os esclarecimentos sobre os decretos”, informou a Guarda Municipal. O serviço de emergência foi acionado, mas quando os socorristas chegaram ao estabelecimento, ela já estava morta. O agressor, que ficou ferido, foi levado ao Hospital do Trabalhador, mas já recebeu alta e se encontra preso.