Eduardo Paes anuncia novo secretário de Saúde para 2021

O prefeito eleito, Eduardo Paes, anunciou Daniel Soranz como o novo secretário de Saúde. Ele é médico sanitarista e pesquisador da Fiocruz e já ocupou o cargo entre 2014 e 2016 durante a gestão Paes.

No primeiro discurso como novo prefeito da cidade, Eduardo Paes, do Democratas, continuou com o tom que ditou o segundo turno de ataque ao prefeito Marcelo Crivella, do Republicanos.

Paes conversou com a imprensa depois do resultado e disse que o Rio de Janeiro se livrou do pior prefeito da história, a quem chamou de omisso e preconceituoso. O político disse que o Rio vai voltar a ser a capital da diversidade e que vai respeitar todas as religiões e orientações.

As declarações foram feitas em um hotel em São Conrado, na Zona Sul da cidade, onde Paes convocou uma coletiva de imprensa. Ele estava ao lado dos filhos, da esposa e também do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também do DEM.

Paes citou como primeira medida o combate a covid-19 falando que é preciso preparar as clinicas da família para que elas recebam as pessoas para vacinação.

Eduardo Paes vai ser prefeito da cidade pela terceira vez. Ele que já atuou na capital fluminense entre 2009 e 2017.

CORRUPÇÃO

O secretário de Saúde do ex-prefeito Eduardo Paes está na mira do Ministério Público. Daniel Soranz teria facilitado a vigência de contrato com empresas suspeitas de causar mais de R$ 6 milhões de prejuízos à prefeitura do Rio.

A denúncia se refere a contratos de capacitação técnica de médicos. Os convênios foram assinados em 2014 e em 2015, durante a gestão de Eduardo Paes, entre a Secretaria Municipal de Saúde e a Fundação Bio Rio.

Para os promotores, foi montado um esquema que desviava dinheiro público com uma “cobrança velada de taxa de administração” e “despesas administrativas” que “não tinham relação com os convênios “. Esse mecanismo seria uma forma de “apropriação ilícita” de parte dos contratos.

O Ministério Público entende que o ex-secretário de saúde de Paes estava ciente de tudo. A denúncia reforça que Daniel Soranz não assinou termos aditivos desses contratos, mas ” deixou de adotar medidas necessárias para cessar o vínculo com a fundação”